Planejamento e visão estratégica são “chaves” – Tribuna do Norte

César Souza - Planejamento e visão estratégica são "chaves"

Planejamento e visão estratégica são “chaves”

“O emprego, como ele existe hoje, não existirá mais no futuro. Mesmo que a economia volte a crescer, dificilmente quem está desempregado vai conseguir vaga novamente na atividade que fazia antes. Em vez de procurar emprego, procure clientes”, diz o consultor em gestão e empreendedorismo, César Souza. Em princípio, ser dono do próprio negócio parece atraente para prover o próprio sustento, mas destinar investimentos exige, além de planejamento e visão estratégica, vocação para o ramo em que se pretende instalar. Para Souza, é fundamental que as pessoas interessadas em empreender conheçam a realidade do negócio idealizado e dediquem-se a cursos de gestão.

“No empreendedorismo, a pessoa acha que tem uma boa ideia e não precisa de formação. Uma sugestão que dou: se você quer montar uma pousada, passe um mês dentro de uma para ver como funciona. No Brasil, 35% das empresas criadas vieram à falência nos últimos três anos, 25% delas pela falta de capacitação dos proprietários”, explica.

César Souza: Foco em gestão

Souza, um dos fundadores do Espaço do empreendedor – centro de ensino para empreendedores com modalidades à distância e presencial – e autor dos livros “Jogue a seu favor – Vire a sorte trabalhando por conta própria” e “Você é do tamanho dos seus sonhos”, afirma que o momento de recessão econômica carrega uma dupla característica: ao passo que muitas pessoas passam a empreender decorrente da necessidade e da dificuldade de inserção no mercado de trabalho, outras aproveitam a oportunidade de oferecer novos produtos e serviços a um novo perfil de consumo.

“A crise pode assustar, mas ela traz inúmeras oportunidades para empreendedores, desde que saibam escolher o negócio certo. E onde estão as oportunidades? O empreendedor precisa entender a migração que acontece nos hábitos dos consumidores. Eles não são mais os mesmos, eles estão mudando de gostos e pela preferência da forma de fazer o negócio. Quem conseguir encontrar isso terá sucesso”, afirma o consultor.

De acordo com César Souza, com o advento do e-commerce e outras plataformas de serviços online, a tendência é que os pontos físicos de venda e oferta de serviços experimentem redução no fluxo de clientes, da forma como são concebidos atualmente. ‘O futuro das lojas físicas está em questão. Elas passarão de pontos de venda a pontos de experimentação. Atrair o cliente para degustar, conviver com o produto. Depois ele pode tomar a decisão de compra, seja na própria loja ou depois de fazer pesquisa’.

Leia direto na Tribuna: http://www.tribunadonorte.com.br/noticia/tem-de-ser-inovador-diferente-e-na-o-a-sa-em-relaa-a-o-ao-produto/385597

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *