7 dicas para um plano de Negócios com Alma

Um plano de negócios é uma espécie de mapa de navegação, como se fosse assim: o Waze do empreendedor. O principal objetivo de um plano de negócios é constituir um instrumento de diálogo entre o empreendedor e todos aqueles que são relevantes para o negócio: sócios, os potenciais investidores, membros da equipe, principais clientes, fornecedores e demais partes interessadas. Por esse motivo, os aspectos qualitativos são tão importantes quanto os quantitativos – esses os quantitativos são os que interessam mais aos financistas. Então, o que eu penso é que planilhas, fluxos de caixa e pesquisas de mercado, que muitas vezes são apresentados como se fossem o plano de negócios, são itens importantes, mas não são os únicos componentes daquilo que eu chamo de plano de negócios com alma!

Esse plano não deve ultrapassar 4 ou 5 páginas e deve conter aquilo que é relevante para o diálogo a essas partes interessadas. Caso um investidor venha necessitar de maiores detalhes, aí sim você pode preparar as planilhas adicionais solicitadas.

Afinal, a dinâmica de um negócio é muito mais do que simplesmente números!

O roteiro básico do plano de negócios com alma deve contemplar alguns tópicos:

1) Sobre o negócio em si

Faça uma breve descrição sobre o cenário que você está percebendo, da identificação da oportunidade visualizada nesse cenário, e do posicionamento que você deseja para seu produto e/ou serviço e da sua marca.

2) Sobre os clientes

É a identificação dos nichos de clientes que a empresa pretende servir. Um diagnóstico das dores desses clientes, uma listagem dos benefícios pra atenuar essas dores e pra solucionar aqueles que são os anseios dos seus clientes-alvos.

3) Sobre as pessoas da equipe

Defina os valores da empresa, o mapa das atitudes desejadas, um desenho da estrutura necessária pra viabilizar o negócio, identificação dos substitutos imediatos para os principais cargos-chave, dos sucessores a médio prazo e assim por diante.

4) Sobre os resultados desejados

Esse tópico deve ser um exercício seu sobre o tema. A clareza sobre os resultados qualitativos e dos quantitativos. Todos aqueles indicadores que você precisa em termo de imagem, satisfação de cliente, clima organizacional, entre outros.

5) Sobre competências e parceiros

Faça um mapa das competências que sua empresa precisa adquirir e um mapa dos parceiros necessários pra suprir essas competências. Tenha clareza sobre esse tipo de apoio que são necessários.

6) Sobre investimento necessário

É preciso ter uma clareza muito grande sobre os recursos financeiros que você vai precisar e as possíveis fontes desse recurso. Faça um cronograma físico-financeiro, pois é aí onde muito empreendedor falha!

7) Sobre fatores críticos

Identifique as principais alavancas do seu negócio.

Além desses, são necessários alguns anexos ao plano de negócios com alma: demonstrativos dos resultados econômicos (até o fim do ano que começou o negócio, daqui a 3 anos, 5 anos…), o fluxo de caixa é muito importante também, pesquisa de mercado, a estrutura societária, jurídica e tributária… Tudo isso é importante! Mas atente-se muito ao aspecto qualitativo, como falei anteriormente.

Um plano de negócios com alma não deve servir como uma ferramenta burocrática e nem como camisa de força! Não é para aumentar a burocracia da empresa! Deve servir como instrumento de reflexão própria e pessoal e de um diálogo seu com todas as partes interessadas e que sejam componentes do negócio.

Repito: o plano de negócios com alma deve servir como um mapa de navegação, sendo o Waze do empreendedor!

 

 

César Souza é o fundador e presidente do Grupo Empreenda, consultor e palestrante em estratégia empresarial, desenvolvimento de líderes e na estruturação de Innovation Hubs. Autor de “Seja o Líder que o Momento Exige”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *